Instituição Particular de Solidariedade Social (IPSS) de apoio a pessoas com Incapacidade Intelectual e Desenvolvimental.

História

Fundada a 27 de Junho de 1940, a Casa de São Vicente tinha como objetivo fornecer  apoio  social,  apoio  pedagógico e alojamento  a  pessoas  com  problemas  de integração  social, funcionando como um Banco Social. A sua Fundadora, a Condessa de Mafra - Dª Maria Antónia de Mello Breyner manteve  esta  Estrutura  de utilidade pública e lutou pela sua sobrevivência e manutenção até aos anos 70 da década passada.

A Casa de São Vicente, desde 1975 e após um longo historial de vivências relacionadas com o apoio a jovens carenciados, como já anteriormente visto, encontra-se vocacionada para prestar apoio a pessoas portadoras de incapacidades mentais e/ou sensoriais e /ou motoras. O seu objetivo atual consiste em prestar serviços de Reabilitação na Deficiência aos mais variados níveis.
Para tal, a Instituição dispôs de um Centro de Apoio pelo Trabalho (CAT), subsidiado pela Segurança Social até 2004. Pretendia-se fornecer suporte socio-profissional para pessoas portadoras de Deficiências moderadas-a-ligeiras que tinham terminado o seu percurso escolar e que aprendiam uma atividade profissional que as poderia dotar de ferramentas para uma possível integração profissional. Dispunha, para o efeito, de sete Oficinas de trabalho artesanal, nomeadamente: Tapetes de Arraiolos, Lavandaria/Engomadoria, Rendas/Bordados/Montagem, Costura, Encadernação, Empalhamento de Cadeiras e Tricot (à máquina e à mão).
Neste âmbito eram atendidos em regime diurno, cerca de 65 utentes de ambos os sexos, com idade igual ou superior a 16 anos, portadores de deficiência ligeira ou moderada e sem patologia psíquica.
Concomitantemente, esta IPSS (Instituição Particular de Solidariedade Social), dispunha de um Lar Residencial para 25 mulheres portadoras do mesmo tipo de dificuldades, mas que não possuíam qualquer suporte familiar ou social.
Desde 2004 que a Instituição celebrou novo acordo com o Centro Regional de Segurança Social: foi extinto o CAT e passou a vigorar uma nova Resposta Social: um Centro de Atividades Ocupacionais (CAO) com duas vertentes: um CAO estritamente Ocupacional para pessoas com maiores dificuldades (deficiência grave) e um CAO Socialmente Útil onde foram integrados os utentes do extinto CAT e utentes com perfil de desempenho maior. O Lar Residencial enquanto Resposta Social manteve a mesma estrutura mas as suas utentes passaram a frequentar os Ateliers do CAO durante o período diurno.

Atualmente, a Casa de S. Vicente continua a prestar assistência a 90 pessoas com deficiência  que usufruem dos serviços prestados por dois tipos de Respostas Sociais (LAR e CAO) e são acompanhadas diariamente por um conjunto de Monitores de Reabilitação, Ajudantes de Ocupação, Encarregados de Lar, Terapeuta Ocupacional, Assistentes Sociais, Professor de Motricidade Adaptada, Psicólogo, Psiquiatra, Médico Clinica Geral e Animador Sócio-Cultural.

A sua sede mantém-se na freguesia de Marvila, num edifício de finais do séc XVII, na Quinta das Veigas, dispondo de uma área reservada para o Lar, outra área reservada para o CAO, área dos Serviços e Apoio Técnico, área ajardinada de Lazer e cerca de 4 hectares de área rural.
Pela estrutura do edifício e pela sua antiguidade, o palácio das Veigas, estrutura original do séc XVII, encontra-se em estado de permanente deterioração sendo amiúde sujeito a obras superficiais de recuperação. Porém, mantém-se firme no seu propósito de oferecer apoio a pessoas que, pela sua condição, dele necessitam.

 

Contactos

Casa de São Vicente
Azinhaga das Veigas Nº1
1950-289 Lisboa (Marvila)



Telefones: 218 680 911; 218 681 814; 218 681 159
Telemóveis: 932 780 048 /7 /50
Fax: 218 680 911
Email: geral@casadesaovicente.pt